Batalha do Passinho

Rio de Janeiro, 2013

Direção: Rafael Dragaud

Cenário: Gigi Barreto

Iluminação: Samuel Betts

Fotógrafa: Maria Buzanovsky

MariaBuzanovsky003.jpg

Os Ousados, Borel

MariaBuzanovsky008.jpg
MariaBuzanovsky011.jpg
MariaBuzanovsky007.jpg

Cidade de Deus

MariaBuzanovsky009.jpg

Cidade de Deus

MariaBuzanovsky002.jpg

Jacarezinho

MariaBuzanovsky001.jpg

Jacarezinho

MariaBuzanovsky010.jpg

Parque Madureira

Em 2013 o Passinho não era conhecido e celebrado como é hoje. Percorremos 16 comunidades com este trabalho, da Chatuba à Madureira. Não há como não mencionar a honra que foi criar esta cenografia para um movimento preto, popular, periférico, um movimento de resistência da cultura negra contemporânea. O funk tem uma marca única: ele canta como se fala, é direto, é uma crônica da favela. É a liberdade de realizar um auto-retrato sem filtro: ser quem se é com orgulho.

Criamos uma estrutura de ringue – uma brincadeira com a Batalha do Passinho –   Acontece que este não era um ringue qualquer: refletia-se em uma caixa de espelhos no teto, em forma de tabuleiro de xadrez, posicionada logo acima dos artistas, o que espelhava o piso e o movimento dos artistas que se tornavam bem mais visíveis para o público que estava distante.  

A iluminação deste projeto foi uma grande aliada, pois nós tínhamos artistas pouco conhecidos, oriundos de uma zona vulnerável da cidade, donos de uma potência artística extraordinária. Por isso a luz foi desenhada para valorizar ao máximo esta potência, trazer o máximo do glamour, de status e dignidade. Parece que acertamos, pois as fotos que se multiplicaram nas redes sociais falam por si.